Top Menu
Fórmula 1 GP do Japão 2016 - Pódio

Na corrida do Japão mais uma vez a dúvida surgiu na pista de Suzuka, na largada a potência do motor do Hamilton demorou a surgir fazendo o inglês perder varias posições decretando o fim da luta pela vitória na pista japonesa e ainda perder muitos pontos para o companheiro.

É comum entre os especialistas da Fórmula 1 que em situação normal Lewis Hamilton é muito melhor que o companheiro Nico Rosberg e foi assim que o inglês tirou a desvantagem de 49 pontos que tinha no início do campeonato para o alemão. Sem os problemas de motor que teve no inicio da temporada, Hamilton foi vencendo o companheiro prova atrás de prova abrindo uma vantagem de 17 pontos para Rosberg.

Porém depois das férias de verão na prova Belga, Hamilton teve mais uma vez que trocar o motor, câmbio e sistema de recuperação de energia, com isso sendo punido com varias posições no grid daquela corrida, onde largou em último. Mesmo com todos os problemas no sistema de propulsão do seu carro, Hamilton se superava mantendo a liderança do campeonato, mas problemas inexplicáveis em seu Mercedes, como o sistema de largada que manteve seu carro parado sendo superado por vários pilotos, perdendo a liderança que conquistou durante a classificação de sábado.

Depois da corrida Hamilton ainda procurava explicação sem tela junto aos engenheiros. Na Malásia fez a pole, na largada da prova no domingo manteve a liderança e ainda viu o companheiro cair para as últimas posições depois de ser atropelado pela Ferrari do piloto Alemão Sebastian Vettel. No final da corrida com a liderança sem correr riscos e com o Rosberg na sexta posição, Hamilton viria a reassumir a liderança do campeonato com três pontos de vantagem no para o companheiro, mas próximo do final da corrida o mundo amante do automobilismo viu boquiaberto a imagem do inglês abandonando com o motor Mercedes estourado, levando as mãos ao rosto dizendo NÃO,NÃO E NÃO!

Fórmula 1 GP do Japão 2016 - Rosberg

Com isso Rosberg acabou subindo ao pódio em terceiro, abrindo 23 pontos de vantagem para Hamilton. Antes de sair da Malásia, soltou o verbo dizendo, “A Mercedes tem 43 motores na categoria, (distribuído entre, Mercedes, Force India e a equipe Williams), só o meu quebra?”. No Japão a disputa entre os dois pilotos da Mercedes foi tão intensa que Rosberg conseguiu a pole nos últimos segundos do treino, por míseros 0,13 milésimos de segundos, -menos que um piscar de olhos- sobre o Hamilton.

Mas ai chegou o domingo, e com ele mais uma vez os problemas inexplicáveis acompanharam o inglês. Na largada da prova, pela imagem da câmera onboard do Hamilton deu para ver que ele foi mais rápido saindo da inércia antes do companheiro, mas eis que a potência do motor demorou a surgir, com isso viu o segundo lugar do grid desaparecer, caindo para oitavo.

Fórmula 1 GP do Japão 2016 - Hamilton

A potência do carro do inglês demorou tanto a chegar que ele levou sete voltas para superar a Force India do alemão Nico Hulkemberg, a partir desta ultrapassagem e com quase dezenove segundos de desvantagem para o companheiro que liderava a prova com tranquilidade, Hamilton começou a bater recorde, atrás de recorde, superando os adversários, até se posicionar atrás menos de um segundo da RBR do jovem Max Verstappen que era o segundo na corrida, de tão perto que estava do Verstappen e com a possibilidade de abrir a asa (DRS), era questão de tempo para que Lewis superasse o jovem holandês. Mas eis que a potência da Mercedes voltou a deixar o inglês na mão, tendo que se contentar em subir ao pódio em terceiro, perdendo mais dez pontos em relação ao líder Rosberg, que para se sagrar campeão, basta chegar em segundo mesmo que Hamilton vença as quatro provas restantes. No pódio do Japão, Hamilton sabendo da tragédia era a imagem da desolação.

About The Author

Silvio Porto é jornalista. Estreou na extinta Revista Afinal como repórter fotográfico, passou pelas Revistas Placar e Quatro Rodas onde conquistou prêmios importantes. Viajou pelo mundo cobrindo futebol, os principais salões do automóvel (Paris, Frankfurt, Detroit e São Paulo), além de Fórmula 1 e os lançamentos de carros e motos. Fez parte do quadro de jurados do Prêmio “Carro do Ano”, da Revista Auto Esporte e há oito anos é um dos jurados do Prêmio Imprensa Automotiva realizado pela Abiauto – Associação Brasileira da Imprensa Automotiva. Hoje é diretor e editor do Portal MotorCar .

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Close